Esta é uma página para a contribuição solidária, independentemente de credo ou religião.

Pertence até mesmo aos ateus.

Ou seja, é destinada aos que querem se firmar em princípios éticos.

Todos somos responsaveis por todos.

Aqui, o que importa, é a ação e o desprendimento.

É a coerência entre o discurso e a prática


IMPORTANTE:  

Não estamos pedindo dinheiro,  não intermediamos nenhuma instituição e nem temos vínculos com as Organizações aqui citadas.

Pelo contrário, queremos que seu envolvimento com a ação social seja mais intenso e responsável
Administre seu
Dízimo
"Quem, pois, tiver bens do mundo, e, vendo o seu irmão necessitado e fechar-lhe o coração,
como estará nele o amor de Deus?"
  
    
                                                                                                               1 Jo 3,17"
Se você compreende a necessidade de compartilhar aquilo que você tem recebido, por razões de fé ou consciência...
Se você alcançou a maturidade e o desprendimento, pedimos sua atenção.
Considere as razões aqui apresentadas, converse com a família, pondere suas responsabilidades.
Convidamos você a este desafio e este privilégio.

Quem?
Qualquer um. Tendo recebido algo, tem condições de compartilhar!
Não importa o quão pouco, a parte do que te cabe sempre será importante para alguém.
Sempre haverá alguém para quem o teu pouco será muito, se não, tudo.
Temos a convicção de que todos os recursos que estão no mundo são a exata medida das necessidades deste mundo. Que há o suficiente para que todos tenham dignidade.
Não estamos falando de doutrina política, estamos falando de civilidade.
É nossa convicção que não é possível ser feliz em um mundo doente.

Por que?
Quase todas as (boas) profissões de fé chamam a atenção para o auxílio ao necessitado.
Aqui, com a ajuda de outros, com a tua ajuda, quem sabe, queremos expor estes motivos.
Mas não somente para quem crê; até quem não professa fé e possui valores que convergem para esta mesma ação, sabendo que mesmo não crendo em uma orientação de cunho espiritual, compreendem, de modo ainda mais nobre, a necessidade da superação humana. A estes, também, convidamos à participação.

Onde?
Qualquer ação ou projeto que vise a valorização (exclusiva) de seres humanos.
Estas ações devem ser voltadas para:

.

- O Corpo (alimentação, habitação e saúde);
- A Alma (educação);
- O Espírito (princípios éticos).

.

Quanto ao corpo: não é possível falar de amor, caridade e fé, quando as pessoas passam por provações. Não adianta ensinar alguém a pescar quando este não consegue nem mesmo ficar em pé.
A fome é uma realidade, não é uma abstração, há pessoas e, sobretudo, crianças, que terminam o dia com fome ou saciadas com alimentação de baixa qualidade nutricional.
Igualmente importante, para a dignidade e proteção da pessoa, são as condições de moradia.
Não só a condição de sem-teto, que inviabiliza uma vida digna, temos, em maior número, as condições precárias de moradia, casas insalubres, devassáveis e perigosas. Onde recursos, sobretudo em se tratando de crianças, são vitais. Para estes, uma boa moradia pode fazer a diferença entre um crescimento sadio e uma vida  indgna e irremediável.
Em se tratando de saúde, recursos sempre são importantes e podem ser críticos em alguns casos.

Quanto à alma
: é possível suprir algumas necessidades educacionais, como cursos de qualificação, reforço escolar, livros, etc. Que não só são importantes para uma sociedade com oportunidade menos injustas, mas, para quem processa uma fé ou, sem esta, valores éticos, a base necessária para um cidadão pleno, capaz de tirar maior proveito desta profissão de fé e destes valores.

Quanto ao espírito, é possível ajudar ministérios que estão comprometidos com os pontos mais sensíveis, socialmente falando, de determinada doutrina.
Onde o discurso desta fé (ou destes valores) está a altura do comportamento e das atitudes.
Ministérios corajosos, pobres, éticos, despojados.

Onde não "aplicar" seu dízimo
Em más instituições e projetos duvidosos. Instituições ensimesmada centradas em  templos e em projetos pessoais.
Em bons projetos não voltados para o ser humano: projetos ecológicos, proteção dos animais, memoriais humanos, etc.

Como?
Em sua instituição, se você participa da destinação do dízimo ou contribuição, e esta instituição (igrejas) está alinhada com os princípios aqui apresentados ou coerentes com com seu conhecimento (da fé proferida) e da sua consciência.
Diretamente, se você conhece pessoas que necessitam destes recursos (é importante entender que uma contribuição pode ser condicionada, mas não significa que o beneficiado deva ser controlado por você).
Organizações idôneas, há excelentes ONG que precisam de recursos, aqui apresentamos algumas.

Final
Não há fé ou crença baseados em valores éticos que resista à negligência e à indiferença.
O discurso tem que ser acompanhado de ações.
                          
                                            ...Resista a indiferença, exerça a compaixão.

No fim, não há nada tão autruísta, quem termina realizado é aquele que é o agente da trasnformação.

                                                                                                             Isabel Almeida